Energia solar favorece a descarbonização

Energia solar favorece a descarbonização

Segundo Adnan Amin, diretor da Agência Internacional de Energia Renovável (Irena), as fontes renováveis devem representar, até 2050, dois terços de toda energia produzida no planeta

Recente estudo apresentado pela¬†Ag√™ncia Internacional de Energia Renov√°vel (International Renewable Energy Agency ‚Äď IRENA, em ingl√™s) indica que a¬†tecnologia solar¬†alcan√ßou a pot√™ncia mundial de 480,3 gigawatts no final de 2018. Valor este que vem do processo de cinco grandes pot√™ncias ‚Äď China¬†(com 175 gigawatts), Jap√£o (com 55,5 gigawatts), Estados Unidos (com 49,6 gigawatts), Alemanha (com 45,9 gigawatts) e √ćndia (com 26,8 gigawatts) ‚Äď de querer descarbonizar o planeta, investindo na tecnologia fotovoltaica.¬†

De acordo com a Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (ABSOLAR), o Brasil possui atualmente uma potência operacional no setor solar de 5.114,3 megawatts. E entre 2012 e 2019 o setor criou mais de 130 mil empregos. Todo esse potencial também tem ajudado a melhorar o meio ambiente, uma vez que a energia solar é renovável, infinita, não emite gases poluentes, tem baixo custo de manutenção, ocupa pouco espaço e permite a instalação em diversos lugares, mesmo os mais remotos.

Justamente por n√£o emitir poluentes, a tecnologia ajuda na descarboniza√ß√£o, melhorando o ar que todos respiram.¬† Al√©m de todas essas caracter√≠sticas, para Ricardo Delneri, empres√°rio do ramo de energia renov√°vel e um dos s√≥cios-fundadores da Renova Energia, a solar √© uma importante fonte aliada no aumento do n√ļmero de empregos no Pa√≠s. ‚ÄúA fonte solar ir√° crescer de forma muito acentuada pelos pr√≥ximos anos e dentro de alguns anos estar√° na casa de milh√Ķes de brasileiros‚ÄĚ, comenta.

O Brasil é um dos maiores emissores de gases do efeito estufa do mundo. Para mudar essa realidade, é necessário que empresas e cidadãos estejam verdadeiramente engajados em realizar a transição para uma economia de baixo carbono. Isso significa optar cada vez mais por processos, produtos e serviços que busquem mitigar o lançamento do CO2 na atmosfera.

√Č neste processo que a descarboniza√ß√£o entra.¬†O sol √© uma fonte inesgot√°vel de energia, uma das solu√ß√Ķes para alcan√ßar a descarboniza√ß√£o √© o uso da energia fotovoltaica. A tecnologia consiste na instala√ß√£o e uso de pain√©is de capta√ß√£o da luz solar para gera√ß√£o da pr√≥pria energia el√©trica, seja em empresas ou resid√™ncias.

Segundo Adnan Amin, diretor da Ag√™ncia Internacional de Energia Renov√°vel (Irena), as fontes renov√°veis devem representar, at√© 2050, dois ter√ßos de toda energia produzida no planeta, ou seja, o crescimento da¬†energia solar¬†ir√° contribuir para descarbonizar, pois n√£o h√° emiss√£o de gases durante a produ√ß√£o de energia; em 25 anos, a utiliza√ß√£o de um sistema fotovoltaico impede que 108.641kg de CO2 sejam despejados na atmosfera e a economia na conta de luz pode atingir 90%, melhorando a gest√£o financeira dos lares e dando mais competitividade a ind√ļstrias, com√©rcios e servi√ßos.

S√£o diversas as medidas que precisam ser adotadas para que a descarboniza√ß√£o aconte√ßa. A melhor gest√£o dos recursos h√≠dricos, com formas alternativas de capta√ß√£o da √°gua da chuva, √© uma delas. Tamb√©m √© importante a redu√ß√£o do uso de combust√≠veis f√≥sseis e, com isso, a maior op√ß√£o por biocombust√≠veis. No caso brasileiro, a energia solar √© fundamental para uma efetiva redu√ß√£o nas emiss√Ķes de carbono. A insola√ß√£o no pa√≠s √© bastante alta, o que indica o enorme potencial dessa modalidade de gera√ß√£o de energia.

Fonte:Portalsolar

Teatro Municipal de Boa vista ganha usina de energia solar

Teatro Municipal de Boa vista ganha usina de energia solar

Equipamento custou quase R$ 5 milh√Ķes e foi instalada estacionamento do teatro

O Teatro Municipal de Boa Vista passou a ser abastecido por energia solar. Uma usina solar com 2.880 painéis fotovoltaicos no estacionamento do prédio. De acordo com a prefeitura, serão economizados R$ 80 mil por mês.

Segundo a prefeita Teresa Surita (MDB) o custo da usina foi de R$ 4,9 milh√Ķes e o equipamento tem garantia de 25 anos. A obra foi inaugurada nessa segunda-feira (27).

Ainda conforme o munic√≠pio, em cinco anos os gastos com investimentos na usina j√° estar√£o pagos com a economia gerada e os pr√≥ximos 20 anos contar√£o com a diminui√ß√£o de gastos p√ļblicos com energia pelo munic√≠pio.

‚Äú√Č o √ļnico teatro que eu conhe√ßo que tem um estacionamento com energia solar. Sem d√ļvida vai fazer com que essa modernidade traga uma outra condi√ß√£o para a nossa cidade, tanto na quest√£o da economia como na quest√£o da energia limpa que √© t√£o importante nos dias de hoje em rela√ß√£o a polui√ß√£o‚ÄĚ, disse a prefeita.

Os pain√©is solares t√™m capacidade total de 1.000 kW e geram em m√©dia 140MWh. A energia gerada pela usina ser√° consumida internamente e a sobra ir√° para a rede el√©trica retornando √† noite ou nos hor√°rios que n√£o h√° sol. O excedente ser√° utilizado em outros pr√©dios p√ļblicos da cidade.

Al√©m do teatro, o terminal Canuto Chaves, mercado S√£o Francisco, Pal√°cio 9 de Julho, Secretaria de Servi√ßos P√ļblicos e Meio Ambiente, 72 abrigos de √īnibus climatizados e a Comunidade Darora contam com usinas solares.

A energia excedente do mercado São Francisco abastece também o Hospital da Criança, segundo a prefeitura.

font:G1

Google ajusta data centers para usarem mais energia solar e eólica

Google ajusta data centers para usarem mais energia solar e eólica

O Google divulgou nesta quarta-feira (22) que iniciou seu plano para que data centers aumentem o consumo de energia solar e eólica, diminuindo ainda mais a emissão de carbono na atmosfera. O controle da fonte de energia é feito com ajuda de uma plataforma computacional que roda dentro dos imensos prédios.

Se o seu computador gasta bastante energia para jogar Minecraft, imagine um data center do Google, que √© um pr√©dio que funciona como um servidor gigantesco e que garante que o v√≠deo de gatinho que voc√™ publicou no YouTube, seja visualizado por milh√Ķes de pessoas ao mesmo tempo e que est√£o espalhadas pelo planeta inteiro. √Č muita energia, que gera bastante polui√ß√£o se a fonte dela for f√≥ssil.

Desde 2007 o Google é uma empresa livre de carbono e desde 2017, fontes renováveis suprem a necessidade destes prédios, mas não o tempo todo. Agora o gigante das buscas conseguiu separar uma equipe para que criasse uma plataforma computacional que foque os esforços dos servidores (leia: gasto de energia) em momentos com mais vento ou luz solar, para que as turbinas eólicas e placas solares abasteçam a maior parte de sua necessidade energética.

A empresa diz que tarefas que não são urgentes, como criar um novo filtro para o Google Fotos, adicionar novas palavras ao Tradutor ou processar um vídeo do YouTube, são os maiores exemplos de carga de processamento que pode ser feita nestes horários. Também garante que serviços como pesquisas no buscador, rotas do Mapas e vídeos do YouTube (talvez as lives, neste caso) não sofrerão queda em desempenho. Melhor ainda: a novidade sequer exige um hardware novo.

Mais otimização no futuro do Google

O Google projeta que o pr√≥ximo passo desta nova forma de uso inteligente de energia envolver√° m√ļltiplos data centers. A ideia √© de enviar carga computacional para servidores que est√£o em locais onde o consumo de energia renov√°vel est√° maior, diminuindo a emiss√£o de poluentes e tudo isso acontecer√° de forma autom√°tica.

Com informa√ß√Ķes:¬†Google.

Consumidores residenciais com energia solar economizam na conta de luz durante a crise

Consumidores residenciais com energia solar economizam na conta de luz durante a crise

H√° atualmente milhares de consumidores brasileiros que t√™m conseguido economizar na conta de luz usando a¬†energia solar.¬†√Č o caso de microempres√°rio C√©lio Gurgel, que mora em Fortaleza, no Cear√°. Segundo ele, depois que instalou um pequeno sistema fotovoltaico no telhado de sua casa h√° seis meses a economia m√©dia mensal tem sido de 70% no custeio com eletricidade.

Em tempos de crise pelo qual o Brasil est√° passando esta √© uma boa not√≠cia. Gurgel comenta que, al√©m da parte financeira, tem tamb√©m o aspecto da sustentabilidade, uma vez que a energia solar √© natural, n√£o polui o meio ambiente e √© inesgot√°vel. O sistema na resid√™ncia do microempres√°rio foi instalado pela empresa ECO Solu√ß√Ķes em Energia, sob coordena√ß√£o de Jonas Becker, que √© executivo da empresa e coordenador estadual da Associa√ß√£o Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (ABSOLAR), entidade que re√ļne as empresas e profissionais de toda cadeia produtiva do segmento solar fotovoltaico no Brasil, da gera√ß√£o distribu√≠da √† gera√ß√£o centralizada.¬†

Estudos indicam que um sistema de energia solar em vida √ļtil de pelo menos 25 anos. Portanto, um sistema bem dimensionado pode reduzir os gastos com a energia em at√© 95% para os consumidores residenciais. Desta forma, valores que seriam destinados ao pagamento da energia podem ser destinados para outras necessidades primordiais, como alimenta√ß√£o, sa√ļde e educa√ß√£o.¬†

De acordo com a ABSOLAR, desde 2012, os investimentos privados em sistemas de energia solar em resid√™ncias ultrapassaram R$ 4,2 bilh√Ķes no Brasil. As moradias representam 72,6% de todos os sistemas de¬†gera√ß√£o distribu√≠da solar¬†fotovoltaica, de um total de mais de 210 mil conex√Ķes espalhadas por mais de 81% dos munic√≠pios do Brasil.

E as notícias boas não param por aqui. O Brasil ainda tem mais de 70 linhas de financiamento para quem quer adquirir a tecnologia, com taxas de juros abaixo de 0,9% ao mês, o que ajuda na instalação. A economia na conta de energia trazida pela fonte solar já paga a parcela do financiamento. 

Trata-se de um investimento importante, uma vez que os consumidores residenciais são os que pagam os maiores valores pela energia elétrica que consomem. Neste momento, a tecnologia solar fotovoltaica tornou-se uma importante aliada ao bolso do consumidor. Também ajuda no orçamento das empresas e dos governos, os protege contra aumentos anuais das tarifas e ainda ajuda o meio ambiente e a sustentabilidade.

GD solar recebe R$ 1,2 bilh√£o em investimentos do setor rural brasileiro

GD solar recebe R$ 1,2 bilh√£o em investimentos do setor rural brasileiro

Os investimentos em Gera√ß√£o Distribu√≠da atrav√©s da fonte solar nas propriedades rurais do pa√≠s ultrapassaram a marca de R$ 1,2 bilh√£o. A informa√ß√£o deriva de um mapeamento da Associa√ß√£o Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (Absolar), o qual indica que produtores rurais representam atualmente por 8,7% da pot√™ncia na GD a partir do sol no Brasil. No acumulado, a modalidade¬†apresenta cerca de 2,3 GW de capacidade instalada, incluindo resid√™ncias, com√©rcios, ind√ļstrias, produtores rurais, pr√©dios p√ļblicos e pequenos terrenos. Com um total de aproximadamente 200 mil sistemas em opera√ß√£o, a fonte corresponde a 99,8% das conex√Ķes do tipo no pa√≠s, sendo a l√≠der do segmento.

O levantamento da Associa√ß√£o mostra um montante de mais de R$ 11,9 bilh√Ķes em aportes acumulados desde 2012 para a GD, espalhados pelas cinco regi√Ķes nacionais. Com isso, a tecnologia fotovoltaica est√° presente em mais de 79,9% dos munic√≠pios brasileiros. Em n√ļmero de sistemas instalados, os consumidores residenciais est√£o no topo da lista, representando 72,60% do total. Em seguida, aparecem as empresas dos setores de com√©rcio e servi√ßos (18%), consumidores rurais (6,3%), ind√ļstrias (2,7%), poder p√ļblico (0,4%) e outros tipos, como servi√ßos p√ļblicos (0,04%) e ilumina√ß√£o p√ļblica (0,01%).

Ronaldo Koloszuk, presidente do Conselho de Administra√ß√£o da Absolar afirmou que o uso da energia solar junto ao agroneg√≥cio traz ganhos de competitividade aos produtores rurais, pois reduz os custos com eletricidade e aumenta a seguran√ßa el√©trica. ‚ÄúProtege o consumidor contra os aumentos das tarifas de eletricidade, aumenta a oferta de energia el√©trica na propriedade rural, torna a produ√ß√£o no campo mais limpa e sustent√°vel e agrega valor √† marca do produtor rural‚ÄĚ, comenta.

Para Rodrigo Sauaia, CEO da entidade, h√° diversas aplica√ß√Ķes fotovoltaicas poss√≠veis no setor rural. ‚ÄúA tecnologia √© extremamente vers√°til e pode ser utilizada no bombeamento e na irriga√ß√£o de √°gua, na refrigera√ß√£o de carnes, leite e outros produtos, na regula√ß√£o de temperatura para a produ√ß√£o de aves e frangos, na ilumina√ß√£o, em cercas el√©tricas, em sistemas de telecomunica√ß√£o, no monitoramento da propriedade rural, entre muitas outras funcionalidades. A sinergia entre o agro e a solar fotovoltaica √© enorme‚ÄĚ, explica Sauaia.

Governo Darci  Lermen quer aproveitar energia solar para diminuir conta do Executivo

Governo Darci Lermen quer aproveitar energia solar para diminuir conta do Executivo

A pretexto de economizar com a conta de energia que chega à segunda prefeitura mais rica do Pará todo mês, a Secretaria Municipal de Mineração, Energia, Ciência e Tecnologia (Semmect) do governo de Darci Lermen vai instalar um sistema de captação de energia solar fotovoltaica por meio do qual, segundo a pasta, serão gerados créditos que poderão ser compensados na conta em até cinco anos, desde que a quantidade de energia gerada seja superior à consumida. O custo da empreitada é orçado em R$ 839.680,80.

As informa√ß√Ķes foram levantadas pelo Blog do Z√© Dudu e est√£o¬†dispon√≠veis aqui. Ontem, segunda-feira (2), a Prefeitura de Parauapebas anunciou no Di√°rio Oficial da Uni√£o (DOU) a decis√£o de prorrogar para o pr√≥ximo dia 23 o recebimento das propostas comerciais visando √† escolha da empresa interessada na implanta√ß√£o do servi√ßo (veja aqui).

O edital de licita√ß√£o, na modalidade tomada de pre√ßos, revela que a Prefeitura de Parauapebas busca a instala√ß√£o de um sistema de minigera√ß√£o de energia solar ‚Äúon grid‚ÄĚ, em que cada quilowatt tenha custo m√©dio de R$ 3.998,48. Como o projeto ambiciona alcan√ßar 210 quilowatts-pico, a licita√ß√£o foi fechada nos quase R$ 840 mil. Uma vez instalado, o sistema ser√° conectado √† rede da distribuidora de energia Equatorial.

A Semmect defende a aquisi√ß√£o do pacote, argumentando que a gera√ß√£o fotovoltaica √© fonte de energia limpa e renov√°vel, cuja participa√ß√£o √© crescente na matriz energ√©tica brasileira e pode tornar-se ‚Äúboa op√ß√£o de implementa√ß√£o, principalmente para grandes consumidores como √© caso do Governo Municipal de Parauapebas‚ÄĚ. Ainda de acordo com a pasta, a redu√ß√£o de custos, sem a perda de produtividade, garante o pleno funcionamento da m√°quina p√ļblica, melhorando suas finan√ßas, a ponto de poder atender a outras prioridades de investimento demandadas pela comunidade diariamente.

O Blog do Z√© Dudu apurou que a previs√£o de gastos com energia el√©trica por parte do Poder Executivo este √© de R$ 18,02 milh√Ķes, mas isso √© apenas para a ilumina√ß√£o p√ļblica. Em 2019, pelo que levantou o Blog junto ao portal da transpar√™ncia, o governo Darci desembolsou R$ 28,59 milh√Ķes em faturas de energia da ent√£o Celpa, que resolveu mudar de nome para Equatorial. Esse volume de gastos √© mais que suficiente para sustentar 16 munic√≠pios do estado, que arrecadam menos que a despesa de energia el√©trica da Prefeitura de Parauapebas.

 

Fonte:https://www.zedudu.com.br/